28 de agosto de 2014




Homem é flagrado sem roupa pelas 

ruas da cidade de Itaporanga; Veja o vídeo

Da Redação
Homem é flagrado sem roupa pelas ruas da cidade de ItaporangaImagens da Internet
Algo inusitado. Na manhã desta quinta-feira
 (28), um homem foi flagrado caminhando
sem roupa pelas ruas do centro da cidade de 
Itaporanga, no Vale do Piancó.
O homem é conhecido em Itaporanga como
 Maradona, de 45 anos. Ele foi detido pela 
Polícia Militar  e encaminhado à delegacia
 da cidade.
O artigo do Código Penal Brasileiro que leva os naturistas a serem processados
 é o 233, que dispõe como ilícito penal: “Praticar ato obsceno em lugar público, 
ou aberto ou exposto ao público”.

Ibope registra no TRE primeira pesquisa para governador e TV Cabo Branco divulga na sexta

Clilson Júnior
Ibope registra no TRE primeira pesquisa para governador e TV Cabo Branco divulga na sexta
O Ibope registrou neste domingo (24), no Tribunal Regional Eleitoral (TRE), a primeira pesquisa com vistas à
 sucessão estadual nas eleições deste ano. A
 pesquisa, orçada em R$ 54.322,80, foi contrata
da pela TV Cabo Branco e ouvirá 812 eleitores entre os dias 26 e 29 de agosto.

O nível de confiança estimado é de 95% e a
 margem de erro máxima estimada 
considerando um modelo de amostragem aleatório simples, é de 3 (três) pontos
 percentuais para mais ou para menos sobre os resultados encontrados no total 
da amostra.  Na pesquisa, os entrevistados irão optar entre os candidatos Antônio 
Radical, Cassio Cunha Lima, Major Fábio, Ricardo Coutinho, Tárcio e Vital.

Além de governador, a pesquisa quer saber a preferência dos paraibanos para
 os cargos de presidente e senador.


A pesquisa deverá ser divulgada na próxima sexta-feira, dia 29 de agosto.

TV Correio divulga pesquisa eleitoral para governador e senador nesta sexta-feira

Clilson Júnior
TV Correio divulga pesquisa eleitoral para governador e senador nesta sexta-feira

A TV Correio deve divulgar na próxima sexta-
feira (28), às 20h, em seu telejornal da noite,
 a sua nova pesquisa eleitoral para presidente,
 governador e senador.

Na pesquisa 1500 pessoas estão sendo
 ouvidas desde o último sábado (23) e
 a consulta se estende até esta quarta-feira
 (27). Instituto Souza Lopes é responsável pela coleta das informações e a pesquisa 
foi contrata por R$ 30.000,00 (trinta mil reais).

O intervalo de confiança estimado é de 95% e a margem de erro máxima estimada é de 2,6
pontos percentuais para mais ou para menos sobre os resultados do total da amostra. A 
pesquisa eleitoral foi registrada no Tribunal Regional Eleitoral (TRE) no ontem (24), sob o
protocolo PB-00018/2014.

é agora diretor voçê não disse que era forte.

GOVERNADOR DEMITE MANOEL EDSON DO HOSPITAL REGIONAL DE GUARABIRA

IMG_0501O Governo do Estado exonerou o diretor geral do Hospital Regional de Guarabira, o médico Manoel Edson. A demissão foi oficializada ontem e divulgada através do Diário Oficial publicado nesta quinta (28). O então diretor do Hospital Regional foi pego de surpresa ao ser demitido da unidade de saúde em ato governamental de Ricardo Coutinho.
No lugar de Manoel Edson fica o médico Marcus Pires, já nomeado no mesmo Diário Oficial, que acumulará os cargos de diretor geral e diretor administrativo do Hospital.
Recentemente o Hospital Regional registrou dois natimortos onde as mães relataram o mau atendimento do local. Em um dos casos o feto foi dado como morto e a grávida passou cerca de cinco dias reclamando de fortes dores até finalmente realizarem o procedimento de retirada da criança. Já no outro a paciente percebeu que não aguentaria ter a criança através do parto normal, e mesmo apelando para os médicos, só teve o parto cesariano realizado quando a equipe médica percebeu que a criança já não dava sinais de vida.
Confira a íntegra da exoneração e nomeação, que também podem ser constatadas na página 4 do Diário Oficial do Estado clicando neste link.
Manoel Edson concedeu entrevista comentando sua demissão ao repórter Zé Roberto, da Rádio Constelação FM, ouça:
Ato Governamental nº 3.886
João Pessoa, 27 de agosto de 2014
O GOVERNADOR DO ESTADO DA PARAÍBA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 86, inciso XX, da Constituição do Estado, e de acordo com artigo 33, inciso II, da Lei Complementar nº 58, de 30 de dezembro de 2003, R E S O L V E exonerar, a pedido, MANOEL EDSON DE ANDRADE matrícula nº 169.274-7, do cargo em comissão de Diretor Geral do Hospital Regional de Guarabira, Símbolo CSS-2, da Secretaria de Estado Saúde.

Ato Governamental nº 3.887
João Pessoa, 27 de agosto de 2014
O GOVERNADOR DO ESTADO DA PARAÍBA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 86, inciso XX, da Constituição do Estado, e tendo em vista o disposto no art. 9º, inciso II, da Lei Complementar no 58, de 30 de dezembro de 2003, na Lei no 8.186, de 16 de março de 2007, R E S O L V E designar MARCUS VINICIUS GAMBARRA PIRES, Diretor Administrativo do Hospital Regional de Guarabira, para responder cumulativamente, pelo cargo de provimento em comissão de Diretor Geral do Hospital Regional de Guarabira, Símbolo CSS-2, até ulterior deliberação.
Redação Painel PB 

JOVEM NEGRA COLOCA FOTO COM NAMORADO BRANCO NO FACEBOOK E SOFRE RACISMO

casal-sofre-racismo-em-muriae-mg-1409240602882_615x470Quando M. D. M. R., uma jovem negra de 20 anos, colocou uma foto sua com o namorado no Facebook, ela não imaginava do que seria vítima. Ela foi atacada em uma enxurrada de comentários com ofensas racistas.
Em um primeiro momento, a vítima, que pediu para ser identificada apenas pelas iniciais de seu nome, mas autorizou o uso da imagem, disse ter ficado triste com a situação. Com o apoio da família e do namorado, resolveu procurar a polícia e denunciar o caso. Ela diz também ter recebido muitas mensagens de conforto. Em uma delas, um advogado de Brasília a aconselhou a procurar as autoridades.
O caso ocorreu na cidade mineira de Muriaé (a 320 km de Belo Horizonte). Segundo a Polícia Civil de Minas Gerais, um inquérito foi aberto nesta quarta-feira (27) para investigar o caso.
Segundo a polícia, a jovem publicou a foto no dia 17 deste mês na rede social e surgiram vários comentários racistas. Ela procurou a polícia no dia último dia 26 para registrar a queixa.
Em um dos comentários feito na página da jovem na rede social, um internauta escreve: “Onde comprou essa escrava?”, para em seguida pedir: “Me vende ela”.
A estes seguiram outros comentários: “Parece até que estão…. na senzala”; “Seu dono?”; “um branco e uma negosa (sic)”; “Tipo assim tia eu acho que vc roubou o branco pra tirar foto (sic)”.
Em entrevista a reportagem, a moça afirmou que quer que sua atitude sirva de exemplo para outras pessoas. “Achei muito triste. Na hora, fiquei surpresa com tudo o que estava acontecendo, mas depois meu namorado e minha família me deram força. Foi uma atitude corajosa minha mesmo [de ter feito a denúncia], porque muitas pessoas não têm coragem de denunciar esse tipo de crime. Acho que todo mundo deve denunciar”, afirmou, pedindo também punição aos que postaram as mensagens de cunho racista.
“Eu acho que toda pessoa sofreu algum tipo de preconceito, seja qual for, tem de denunciar à polícia. Não pode ficar impune. Eu quero que seja descoberto quem foi e que paguem pelo que fizeram comigo”, afirmou.
A moça afirmou ter desativado a página na rede social após a repercussão do caso, mas a reativou depois de ter feito a denúncia.
“Eu vou continuar com ela [a página no Facebook]. Em um primeiro momento, muitas pessoas ficaram me procurando, aí eu achei melhor desativar. Mas não por medo, só por conta disso mesmo”, disse.
Injúria racial
De acordo com o delegado Eduardo Freitas da Silva, o caso vai contar com apoio da Delegacia Especializada em Crimes Cibernéticos, de Belo Horizonte. Ele adiantou que já conseguiu precisar o Estado de origem da maioria dos internautas que postaram as mensagens.
“Nós fizemos uma análise preliminar e verificamos que nenhum dos autores das ofensas raciais é daqui da cidade. Grande parte é de São Paulo. Alguns são perfis falsos, mas outros são de pessoas reais, identificáveis”, afirmou.
O policial disse que vai encaminhar um ofício aos administradores do Facebook solicitando a identificação dos que postaram comentários racistas na página da vítima. Segundo ele, os suspeitos serão intimados a depor por meio de carta precatória.
“Vamos contar com a ajuda da Polícia Civil de São Paulo para que essas pessoas sejam ouvidas nas delegacias mais próximas de suas residências. A injúria racial prevê de um a três anos de prisão e multa”, afirmou.
UOL

MINISTÉRIO ATESTA QUE ESTADO PERDEU 546 LEITOS

tabela_leitos_ok.jpg__802x300_q100_crop_subsampling-2_upscaleA Paraíba perdeu 546 leitos hospitalares de dezembro de 2010 a julho de 2014, conforme dados do Ministério da Saúde (MS). Ao contrário do que vem sendo divulgado pela propaganda oficial do governo, os espaços para atendimento hospitalar vêm diminuindo e o Estado não vem abrindo novos leitos em quantidade suficiente para reverter o déficit. Segundo atesta o Ministério, na rede estadual apenas seis leitos foram criados de 2010 até hoje.
A situação nos hospitais do Estado foi mostrada no programa eleitoral da coligação A Vontade do Povo, nesta quarta-feira (27). Foram revelados os dados do Cadastro Nacional dos Estabelecimentos de Saúde (CNES – MS), que mostram que, em dezembro de 2010, último ano do governo anterior, existiam 1.872 leitos em hospitais do Estado. Em julho desse ano, eram 1.878 leitos. Um aumento de apenas seis novas unidades durante toda atual gestão.
Uma realidade bem diferente do quem vem sendo dito pelo governo. Em junho, a propaganda oficial divulgou que haviam sido criados 600 leitos. Porém, o total aumenta a cada debate ou pronunciamento do governante socialista. Agora já se fala em cerca de mil leitos criados.
Macas
As imagens mostraram ainda que os principais hospitais da Paraíba estão cheios de macas de ambulâncias sendo usadas como camas para abrigar doentes. No Hospital de Trauma de Campina Grande foram flagradas 56 macas identificadas como leitos e no Hospital de Trauma de João Pessoa, 49. O Ministério da Saúde não registra macas como leitos hospitalares, porque determina que esses equipamentos devem ser usados para o transporte de pacientes ou para atendimentos em consultórios.
As macas, em alguns casos, são retidas das ambulâncias do Samu, como mostrou reportagem de uma emissora de TV nacional. Sem macas o Samu fica impedido de prestar socorro à população. Elas fazem falta nas ambulâncias do Samu, mas viram leitos nas estatísticas do Governo.
Propostas
Para melhorar a Saúde no Estado, Cássio Cunha Lima propõe a construção do Hospital de Trauma do Sertão; a conclusão do hospitais de Santa Rita e Patos; a ampliação dos serviços de urgência e emergências nos hospitais regionais, com atendimento especializado em cardiologia, ortopedia, obstetrícia, atendimento vascular e câncer; Centros de Diagnósticos por imagem e Serviços de Hemodiálise para o interior.
“Vamos reforçar, em parcerias com as prefeituras, os serviços de atenção básica. E vamos descentralizar os serviços de Saúde para que as pessoas que moram no interior do Estado não tenham que se abalar para Campina Grande ou João Pessoa para fazer uma ressonância magnética, por exemplo”, reforçou Cássio.
Quando governou a Paraíba, só em João Pessoa, Cássio Cunha Lima (PSDB), abriu 175 novos leitos hospitalares, com as reformas da Maternidade Frei Damião e dos Hospitais Clementino Fraga e Arlinda Marques. Ele também reformou os hospitais regionais de Queimadas, Itabaiana, Catolé do Rocha, Sumé e a Maternidade de Monteiro, além do antigo PAM de Jaguaribe (João Pessoa) e outras unidades em todas as regiões do Estado.
Assessoria
Garoto de nove anos de idade é vítima de bala perdida no Rangel 
É considerado grave o estado de saúde de uma criança de 9 anos de idade que foi vítima de ferimento por arma de fogo na noite desta quarta-feira (26), no bairro do Rangel, em João Pessoa.

O menor está internando no Hospital de Emergência e Trauma Senador Humberto Lucena, na Capital, para onde foi socorrido após ser atingido supostamente por uma bala perdida durante tiroteio na localidade. O menino estava sentado na calçada de uma residência na hora que foi baleado.

De acordo informações do Serviço de Atendimento Médico de Urgência (Samu), a bala atingiu o tórax do garoto, perfurando o pulmão.

A assessoria da unidade de saúde informou, no início da manhã desta quinta-feira (28), que o garoto passou pelos procedimentos médicos de emergência e segue internado na UTI-Pediátrica.
 
FHC ataca: entendo por que Dilma não obteve mestrado 
O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso rebateu a crítica da presidente Dilma Rousseff de que o PSDB quebrou o país por três vezes e ataca: "Agora vejo o motivo pelo qual a presidente Dilma Rousseff não conseguiu obter grau de pós-graduação na Unicamp: ela entende pouco de economia".
Em artigo no Observador Político, ele diz que, em outubro de 1993, quando era ministro da Fazenda, conduziu uma renegociação da dívida externa. Afirmou também ter feito um acordo de empréstimo com o FMI em 1998, pois o Brasil enfrentava as consequências da crise da Ásia e dificuldades internas. O último recurso ao FMI, no 2º semestre de 2002, teria sido necessário para enfrentar o "efeito Lula", segundo FHC.
Agora vejo o motivo pelo qual a presidente Dilma Roussef não conseguiu obter grau de pós-graduação na Unicamp: ela entende pouco de economia. E mesmo de números. Disse no debate de ontem (26/8), na Band, que o Brasil “quebrou três vezes” no governo do PSDB. De onde tirou tal falsidade?
O Brasil estava em moratória desde o final do governo Sarney (será que é a isso que ela se refere quando diz “quebrado”). Desde quando assumi o ministério da Fazenda, no governo Itamar, começamos a refazer a credibilidade do país. Em outubro de 1993 assinamos uma renegociação da dívida externa e voltamos aos mercados internacionais. Fizemos em 1994 o Plano Real, sem apoio do FMI, e erguemos a economia. Começava o período de construção da estabilidade, que durou todo meu primeiro mandato, passando por crises bancárias, Proer, renegociação das dívidas dos estados e municípios etc.
No início do segundo mandato, depois das consequências da crise da Ásia (1997), da crise argentina e toda sorte de dificuldades externas e internas –graças a atos políticos irresponsáveis da oposição e à incompletude do ajuste fiscal – sofremos forte desvalorização cambial em janeiro de 1999, apesar de havermos assinado em 1998 um acordo de empréstimo com o FMI (será que é isso que a Presidente chama de “quebrar o país?). A inflação não voltou, apesar das apostas em contrário, e antes do fim do primeiro semestre de 1999 já havíamos recuperado condições de crescimento, tanto assim que em 2000 o PIB cresceu 4,7%.
Nova dificuldade financeira, a despeito das restrições na geração de energia, só ressurgiu no segundo semestre de 2002. Por que? Devido ao “efeito Lula”: os mercados financeiros mundiais e locais temiam que a pregação do PT fosse para valer. Sentimos o efeito inflacionário (os 12% a que a Presidente sempre se refere, que devem ser postos à conta do PT). Aí sim, recorremos ao FMI, mas com anuência expressa de Lula e para permitir que seu governo reagisse em 2003, como fez. Do empréstimo, 20% seriam para usar no resto de meu mandato e 80% no de Lula… Não houve interrupção do fluxo financeiro internacional, nem quebradeira alguma.
É mentira, portanto, que o governo do PSDB tenha quebrado o Brasil três vezes. Por essas e outras, o governo Dilma Roussef perdeu credibilidade: em vez de informar, faz propaganda falsa.

Contas de luz sobem 21,81% a 
partir do dia 28 de agosto para
 1,3 mi de paraibanos
A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) aprovou nesta terça-feira (26) o aumento médio de 21,81% nas contas de energia da Paraíba. O estado tem 1,3 milhão de unidades consumidoras em 216 cidades que utilizam o serviço prestado pela Energisa e eles devem sentir a diferença na cobrança a partir do dia 28 de agosto.

De acordo com a Aneel, entre os fatores que contribuíram para o reajuste da Energisa Paraíba estão os custos que a distribuidora teve com compra de energia, transmissão de energia e pagamento de encargos setoriais.

O aumento autorizado pela Aneel é uma média entre o reajuste para consumidores residenciais, que fica em 21,43%, e também para a indústria, que ficou em 22,75%.
A Aneel informou que o cálculo do reajuste ocorre através da variação de custos que a empresa teve no ano, incluindo custos típicos da atividade de distribuição, sobre os quais incide o IGP-M, e outros que não acompanham necessariamente o índice inflacionário, como energia comprada, encargos de transmissão e encargos setoriais.
Debate não virou votos, só consolidou posições

Realizou-se na noite passada, na Band, o primeiro debate presidencial de 2014. Antes de trocar o evento em miúdos, aqui vai a conclusão: como já se tornou comum em programas do gênero, domados por regras ditadas pela marquetagem, não houve um vencedor. Hipertreinados, nenhum dos três principais contendores protagonizou algo que possa ser chamado de um escorregão. É improvável que o embate resulte numa virada de votos. Serviu apenas para consolidar posições. Assim, foi mais útil para Dilma e Marina, que roçam o segundo turno.
Sob o impacto do Ibope divulgado horas antes, que lhe tirou o chão, restou a Aécio apresentar-se como a mudança segura. Fez isso do início às considerações finais, quando declarou, já perto de uma hora da madrugada, que Dilma representa o Brasil da “inflação alta e do crescimento baixo”. E que Marina levará o país a “novas aventuras e ao improviso”. Ofereceu “o caminho da segurança” e da “previsibilidade”. Chegou mesmo a “nomear” seu ministro da Fazenda: Armínio Fraga, ex-presidente do BC.
Quem queria ver sangue decepcionou-se. Foi ao ar a normalidade. Como atração televisiva, o debate deixou a desejar. Com mais de três horas de duração, tornou-se enfadonho do meio para o final. Começou às 22h de terça e alongou-se até 1h06 de quinta. As pestanas que resistiram até o quinto e derradeiro bloco foram ao encontro dos travesseiros com a incômoda sensação de desperdício do sono. O miolo da picanha foi servido no segundo bloco.
Como de hábito, as regras conspiraram contra o aprofundamento da discussão. Com 30 segundos para a pergunta, dois minutos para a resposta e 45 segundos para réplica e tréplica, as teses foram expostas numa profundidade que uma pulga poderia atravessar sem saltos, com água pelas canelas. Por sorte, o embuste retórico foi mantido no limite do tolerável.
Convidada a inquirir um dos rivais, Marina mirou para o alto. Evocando as manifestações de junho de 2003, a substituta de Eduardo Campos esfregou na face de Dilma o fiasco dos pactos propostos por ela como resposta ao ronco das ruas. E Dilma, fiando-se em autocritérios: “Eu considero que tudo deu certo, veja você”. Ela enumerou: a lei que destinou 75% dos royalties e do fundo social do pré-sal para a educação e 25% para a saúde, o programa Mais Médicos, a destinação de R$ 143 milhões para mobilidade urbana… A reforma política não vingou, mas isso depende de um plebiscito, disse.
Na réplica, Marina foi ao ponto: “Uma das coisas mais importantes para que a gente possa resolver os problemas é reconhecer que eles existem. Quando a gente não os reconhece, não passa nenhuma esperança para a população de que, de fato, eles serão enfrentados. Esse Brasil que a presidente Dilma acaba de mostrar, colorido, quase cinematográfico, não existe na vida das pessoas. [...] a reforma política virou substituição de ministros em troca de tempo de televisão. Vivemos uma situação de penúria na saúde, na educação e na segurança…”
Na sua vez de indagar, Dilma apontou para baixo. “Eu queria perguntar para o candidato Aécio”, disse, como que interessada a retornar à zona de conforto da polarização tucano-petista. Um embate que a conjuntura insiste em desfazer. “O Brasil tem hoje as menores taxas de desemprego da história, mesmo diante da mais grave crise internacional”, ela disse. “Quando Fernando Henrique entregou o cargo ao presidente Lula, o desemprego era mais que o dobro. O senhor falou que, se eleito, tomaria medidas impopulares. Além de cortar empregos e acabar com o aumento real do salário mínimo, quais outras medidas impopulares o senhor tem em mente?”
E Aécio: “Eu me sinto lisonjeado toda vez que a candidata me olha e enxerga o presidente Fernando Henrique. Mas acho que quem fala sempre olhando pra trás é porque tem receio de debater o presente ou não tem nada a apresentar em relação ao futuro. A senhora está enganada. Tenho dito que estamos preparados para fazer o Brasil voltar a crescer e gerar empregos cada vez de melhor qualidade. No governo da senhora, presidente, 1,2 milhão de postos de trabalho acima de dois salários mínimos foram embora porque a indústria brasileira foi sucateada.”
Aécio soou duro. Mas foi informativo. Disse que a participação da indústria no PIB recuou aos níveis da Era Juscelino Kubistchek, há 60 anos. Evocou as informações que acabam de ser divulgadas pelo Ministério do Trabalho. Súbito, escorregou na eloquência: “Os dados mostram que este mês de julho foi o pior mês de geração de emprego de carteira assinada do século, como foi junho, como foi maio… É preciso, sim, que a senhora reconheça que um país que não cresce não gera empregos. O seu governo perdeu a capacidade de inspirar confiança e credibilidade…”
Em verdade, o que os dados da pasta do Trabalho revelaram foi que, em julho passado, houve 1.746.797 contratações com carteira assinada e 1.735.001 demissões. Na conta dos empregos formais registrou-se, portando, um saldo de 11.796 novas vagas. Foi o pior resultado para um mês de julho desde 1999, sob FHC, quando foram abertos 8.057 novos postos de trabalho. Já é suficientemente ruim. O adendo do “pior mês do século”, por desnecessário, permitiu que Dilma voltasse à carga:
“A verdade, candidato, é que o governo do PSDB, que parece que o senhor não vai adotar, quebrou o Brasil três vezes… Aliás, tivemos uma redução salarial terrível durante esse período. No meu governo, nós geramos mais empregos do que vocês geraram em oito anos. Eu, em três anos e oito meses, estou gerando, 5,5 milhões de empregos.” Verdade. O problema é que Dilma fala de empregos olhando para o retrovisor. Os telespectadores mais atentos sabem que o parabrisa, embaçado pelo crescimento pífio da economia, exibe um horizonte de dias piores.
De resto, Dilma teve o azar de lidar com um tucano que optou por não esconder FHC no fundo do armário. Na tréplica, Aécio recordou uma carta elogiosa que Dilma endereçou ao ex-presidente quando ele fez aniversário de 80 anos. “Eu me permito ficar com a primeira presidente Dilma que, no início do seu mandato, escreve uma carta ao presidente Fernando Henrique cumprimentando-o pela estabilidade econômica.”
Acrescentou: “Não tivesse havido a estabilidade da moeda, contra a vontade do PT, a Lei de Responsabilidade Fiscal, a modernização da nossa economia e a privatização de setores que deveriam já há muito tempo estar fora do alcance do Estado, se não houvesse tudo isso, não teria havido o governo do presidente Lula… Reconhecer a contribuição de outros governos é um gesto de grandeza que tem faltado ao seu governo.”
Ainda no segundo bloco, o sorteio brindou a platéia com a possibilidade de Aécio dirigir uma pergunta a Marina, cujo desempenho ameaça privá-lo do segundo turno. “Candidata, a senhora tem falado muito sobre a nova política. Logo que assumiu sua candidatura, apressou-se em dizer que não subiria em determinados palanques. Etnre eles o de um dos mais íntegros e preparados homens públicos do país, o governador Geraldo Alckmin. Dias depois, disse que gostaria de governar o país com o apoio de José Serra, o mesmo a quem a senhora negou apoio em 2010. Será que a nova política não precisaria ter também uma boa dose de coerência?”
Marina teve, então, a chance de reentoar o discurso que vem encantando o pedaço do eleitorado que está de saco cheio do Fla-Flu que domina a política nacional desde a sucessão 1994. “Eu me sinto inteiramente coerente. Defender a nova política é combater sobretudo a velha polarização que, há 20 anos tem se constituído num verdadeiro atraso para o nosso país.”
Prosseguiu, peremptória: “A polarização PT-PSDB já deu o que tinha de dar. Quando eu disse que não ia subir nos palanques que não havia antes acordado com nosso saudoso Eduardo Campos, mantive a coerência exatamente porque não queria favorecer os partidos da polarização. E quando digo que quero governar com os melhores do PT, do PSDB, do PMDB é porque reconheço que existem pessoas boas em todos os partidos.”
Marina finalizou a resposta dizendo que, eleita, escalará uma “nova seleção”, tirando “do banco de reservas pessoas como o senador Pedro Simon, Eduardo Suplicy…” Declarou que, ao se referir a Serra, “estava dizendo que tenho a certeza de que, quando eu ganhar a Presidência, ele não haverá de ir pelo caminho mesquinho da oposição pela oposição, que só vê defeitos, mesmo quando os acertos são evidentes. É o caso do Bolsa Família, que o PSDB tem muita dificuldade de reconhecer. Ou da situaçao pela situaçao que sói vê virtudes, mesmo quando os defeitos são evidentes, como é o caso da volta da inflação, do baixo crescimento e de todo o retrocesso que temos na política macroeconômica, que o PT tem dificuldade de reconhecer e corrigir. Eu me sinto inteiramente coerente com a renovação da política.”
Na réplica, Aécio disse ter dificuldades para entender a pregação que parece ter encantado uma fatia expressiva do eleitorado. Recuou no tempo: “Acredito que existe de verdade a boa e a má política. Não posso crer que homens como Ulysses Guimarães, Miguel Arraes e Tancredo Neves praticavam a velha política. E a boa política pressupõe coerência. Estou aqui acreditando no que sempre acreditei.”
Na sequência, Aécio insinuou que a ex-petista Marina foi contra as boas iniciativas da fase FHC. “Eu acreditava que a estabilidade da moeda era essencial para que o Brasil voltasse a crescer, acreditei que a Lei de Responsabilidade Fiscal iniciaria um novo momento, que as privatizações eram essenciais para esse mesmo crescimento econômico. Fizemos tudo isso com a oposição do seu partido à época, o PT.”
Marina não se deu por achada: “Sua fala, candidato Aécio, reforça exatamente o meu argumento. Acredito na política que pratiquei no Congresso Nacional. Por exemplo: quando foi a votação da CPMF, ainda que o meu partido fosse contra, em nome da Saúde, eu votei favoravelmente mesmo sendo o governo do PSDB. Quando foi o Protocolo de Kioto, fui eu que ajudei a aprovar porque senão seria uma vergonha. Mas infelizmente não é a mesma postura que você, juntamente com o PT, tem nessa relação PT-PSDB, que é uma relação que coloca o Brasil desunido e aparta o Brasil. Nós precisamos unir.”
Quem assistiu ao debate até esse ponto obteve o kit de informações básicas para exercitar o voto em outubro. Dilma tornou-se uma espécie de candidata-parafuso. Com o governo espanado, roda a esmo em torno de conquistas de Lula, que sua gestão precária ameaça. Mas não parece disposta a fazer concessões à autocrítica. Aécio oferece uma mudança “segura'' que tem como símbolo um futuro ministro içado do passado. E Marina tenta espantar o risco de aventura fazendo pose novidade responsável, capaz de governar com o que de melhor os quadros dos arquirivais PT e PSDB podem oferecer ao país. O cenário pode não ser animador. Mas uma nação que já acomodou no Planalto Fernando Collor precisa reconhecer que não está diante do fim do mundo.

muito boa.


Zenóbio confirma Anitta como atração da 
Festa da Luz 2015 em Guarabira/PB

anitta-show2O prefeito de Guarabira, capital do brejo, Zenóbio Toscano anunciou a funkeira Anitta como a segunda atração que vai se apresentar na Festa da Luz 2015. A cantora que tem parentes que moram na cidade de Guarabira será uma das atrações, possivelmente, do dia 30 de janeiro de 2015.  A confirmação, da presença de Anitta na edição da festa da luz 2015 foi feita durante o programa Conversa Com o Prefeito, desta quinta-feira (28).
A festa está prevista para acontecer no parque de eventos, o qual será denominado de Parque Poeta Ronaldo Cunha Lima, ou apenas Parque do Poeta, que está sendo construído pela atual gestão municipal, onde funcionou o antigo parque de exposição, próximo a fábrica de calçados Alpargatas, na saída para a cidade de Pirpirituba.
Recentemente, o gestor já tinha anunciado o canto Bell Marques, ex-Chiclete Com Banana para fazer a abertura da festa, que ocorrerá em 29 de janeiro de 2015.
Da Redação 


Datena comenta briga com Milton 
Neves: ‘Falou da minha família, eu não respeito’

33CF4F5588F778354FC1AB5446C1_h450_w598_m2_q90_cpLFDXIPYJosé Luiz Datena voltou ao trabalho na última quarta-feira (27), após ter sido suspenso pela Band, mas parece que sua briga com Milton Neves ainda vai dar muito o que falar. Isso porque o caso foi parar na delegacia, onde foi comprovado que houve agressão física entre eles.
No último domingo (24), o apresentador do ‘Brasil Urgente’ invadiu um estúdio da Rádio Bandeirantes, onde Neves comandava o ‘Domingo Esportivo’, e reclamou por ter virado assunto em uma conversa do jornalista com o ex-jogador de futebol Neto – eles lembravam da época em que Datena morou com José Hidalgo Neto.
‘Que mer** é essa? Que mer**da é essa’, gritou o âncora na ocasião, fazendo com que o programa fosse para um intervalo comercial forçado. Apesar de apenas os gritos terem ido ao ar, muito mais aconteceu no local e o caso acabou ficando bem sério, segundo o jornal ‘O Dia’.
Datena mora perto da sede da Rádio e, por isso, conseguiu chegar rápido ao estúdio. Assim que invadiu o local, partiu para a agressão. Um operador de áudio tentou separar a briga, mas acabou apanhando também. Depois disso, o apresentador se escondeu em casa por cerca de três horas.
Milton Neves seguiu para o Instituto Médico Legal, onde foi submetido a um exame de corpo de delito. O resultado confirmou a agressão, que não deve ser comentada pelas partes – a Band pediu para que o assunto fosse ‘abafado’, e que eles negassem a briga.
Da Redação 
Com Famosidades via Msn

Agente penitenciário de SP é preso trabalhando 
como médico em Teixeira e Cacimbas no sertão da PB

20140827183843_05Um homem, suspeito de exercer ilegalmente a medicina, foi preso, nesta quarta-feira (27), no município de Teixeira, Sertão da Paraíba. Ele estaria atuando como plantonista e tirou 5 plantões no Hospital Sancho Leite.
De acordo com as investigações, o suspeito tinha falsificado o diploma e usava o registro do Conselho Regional de Medicina (CRM) de outra pessoa. Ele forneceu dados falsos ao setor de Recursos Humanos da prefeitura, onde foi feito um contrato provisório. Na verdade, o acusado seria agente penitenciário no estado de São Paulo, lotado na cidade de São José dos Campos.
Quando a prefeitura foi finalizar o contrato, constatou junto aos órgãos competentes que não haveria veracidade na documentação apresentada. Diante disso, a prefeitura pediu ao Ministério Público que investigasse a documentação apresentada e constatou-se a irregularidade.
Ele também é acusado de exercer irregularmente a função de médico no hospital da cidade de Cacimbas (PB), que fica nas proximidades de Teixeira.
Da Redação 
Com PatosOnline